Foto: Angelo Rocha

A Primeira Marcha da Visibilidade Lésbica de PG acontece neste domingo

Nesta edição, o Ponto da Notícia Entrevista aborda a visibilidade LGBT. As entrevistadas Amanda da Matta Costa, estudante do curso de Letras na UEPG, e Janaína Lohmann, jornalista, são integrantes do coletivo Sapataria. As militantes conversaram com o Periódico sobre os desafios da comunidade lésbica em Ponta Grossa e sobre a Primeira Marcha da Visibilidade Lésbica PG. A marcha acontece neste domingo (27), a partir das 15h30, na Praça Barão de Guaraúna, conhecida como Praça dos Polacos. Há concentração para a oficina de cartazes e em seguida a caminhada pelas ruas da cidade.

Confira a entrevista:

A Patrulha Maria da Penha é um mecanismo de proteção à vítimas de violência doméstica. Foto: Lucas Feld

O município é a sexta cidade paranaense a implementar a Patrulha, a Guarda Municipal aguarda informações do Fórum de Justiça de PG para pôr a PMP na rua


A Patrulha Maria da Penha (PMP) é uma atribuição da Guarda Municipal (GM). O Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-Pr) e a cidade de Ponta Grossa firmaram um acordo de cooperação na última terça feira (22). A Secretaria Municipal de Cidadania e Segurança Pública (SMCSP) capacitou cinco agentes da GM e destinará uma viatura para a PMP. Assim, o município cumpre com o previsto na Lei Municipal 12.451/2016.

Professor Antonio Frasson anuncia a abertura da 3ª Semana de Gênero, Ciência e Tecnologia na UTFPR. Foto: Matheus Rolim

Na terça-feira (22), às 18h30, a 3ª semana de Gênero, Ciência e Tecnologia traz o palestrante Martin Rodriguez, que aborda o tema “Gênero e identidades trans: um olhar humano para compreender os direitos dos cidadãos” e “LGBT: conhecer e respeitar”, ministrada por Toni Reis . O evento ocorre no bloco L da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), em Ponta Grossa e é organizado pelo coletivo Marie Curie. 

 

Foto: Angelo Rocha.

 

A realidade não é diferente em Ponta Grossa. Em 2017, uma travesti foi assassinada e outras duas foram esfaqueadas


Nos cinco primeiros meses de 2017, duas travestis foram esfaqueadas e uma foi morta em Ponta Grossa. Os números, quando somados à realidade nacional, fazem do Brasil o país que mais mata travestis e mulheres trans no mundo. Em contrapartida, os brasileiros são os que mais consomem conteúdo pornográfico de travestis no mundo, segundo o site de vídeos eróticos RedTube. De acordo com dados da organização Transgender Europe, que visa à descriminalização e a igualdade das pessoas trans conforme a sua identidade e expressão de gênero, 900 travestis e pessoas trans foram mortas no Brasil entre janeiro de 2008 e setembro de 2016. Em 2017, já são 112 casos de assassinatos. Os números podem ser ainda mais impactantes, pois o levantamento é realizado com base em reportagens que saem na mídia, e não consideram as denúncias.

Imagem: Saori Honorato e William Clarindo.

Queda de 17% de famílias beneficiadas em um ano mostra os efeitos em Ponta Grossa


O Bolsa Família foi criado em 2003 durante o governo Lula (PT). É um programa que visa à diminuição dos índices de pobreza no Brasil através da oferta de bolsas mensais às famílias registradas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. Apesar de ser uma importante estratégia para o combate de pobreza no país, dados comprovam que nos últimos anos o número de famílias beneficiadas pelo programa diminuiu. Em novembro do ano passado, o governo de Michel Temer (PMDB) cancelou e bloqueou R$ 1,1 milhão de benefícios do Bolsa Família. Julho de 2017 registrou o menor número de pessoas beneficiadas na história do programa.