Edição de 2020 tem número recorde de abstenções, com cerca de 52% de ausência. Alunos relatam dificuldades de preparação e realização da prova durante a pandemia.

 

  

 

Repórter: Bettina Guarienti 

Edição: Isadora Ricardo 

Publicação: Laísa Braga 

Supervisão: Paula Melani Rocha

  

 O manifesto fala sobre a importância de ações de enfrentamento da pandemia.

 

Ficha Técnica

Repórter: Catharina Lavorski
Edição: Valéria Laroca
Publicação: Mirella Mello
Orientação: Prof Paula Melani Rocha

Protocolos de segurança foram definidos para as escolas, mas os responsáveis ainda se sentem inseguros

Ponta Grossa decretou lockdown entre 18 de março e 5 de abril de 2021 por conta do agravamento da pandemia de Covid-19 no município, que registra média de 200 casos diários neste mês. Por conta disso, as aulas presenciais foram, novamente, suspensas e voltaram para o sistema remoto por meio do programa Vem Aprender da TV Educativa. Em 22 de fevereiro de 2021, Ponta Grossa registrava uma média de 160 casos por dia, quando pais e mães voltaram a mandar seus filhos para as aulas presenciais no começo do ano letivo. Álcool, máscaras reutilizáveis, tapetes sanitizantes e termômetros digitais foram distribuídos nas 152 escolas do município. Cerca de 9 mil alunos voltaram presencialmente; cada escola operando apenas com 35% de sua capacidade.

INFOALTERADO correto 23 março 1

Com colapso da saúde, as aulas voltaram para formato on-line sem previsão de ocorrer no modelo híbrido

As aulas presenciais foram prorrogadas em 10 de março, com agravamento da pandemia no estado e município - Foto: Arquivo Periódico
As aulas presenciais foram prorrogadas em 10 de março, com agravamento da pandemia no estado e município - Foto: Agência Brasil 

Trabalhadores consideram retorno ao ensino presencial durante a pandemia uma "ameaça à vida"

Diante da decisão do governo estadual de retomar as atividades presenciais nas escolas públicas ainda em plena pandemia de coronavírus, o Sindicato dos Trabalhadores da Educação Pública do Paraná (APP Sindicato) anunciou greve para o dia 1° de março. "A greve é a última ferramenta que uma categoria tem para dar visibilidade à sua causa", afirma Tércio Nascimento, presidente do núcleo regional da entidade sindical para a região dos Campos Gerais, destacando a falta de disposição do governo em dialogar com os servidores.

 

Sindicato alerta para o risco de contaminação pelo coronavírus se houver o retorno das aulas. Foto: Jornalismo UEPG/Banco de dados