WhatsApp Image 2017 08 09 at 16.36.01 
Foto: Verônica Scheiffer

Nesta quarta-feira (9), o Ponto da Notícia Entrevista iniciou uma série de entrevistas sobre o tema Mulher. Na primeira rodada, o programa recebeu a doula Ana Maria Bourguignon, doutoranda em Ciências Sociais Aplicadas e co-fundadora da Associação em prol da Maternidade Ativa e Segura (AMAS), para falar sobre questões que envolvem a maternidade.

Ana Maria abordou a 25ª Semana Mundial do Aleitamento Materno, que aconteceu entre os dias 1º e 7 de agosto, e faz parte do Agosto Dourado, mês dedicado à promoção do aleitamento. Ela também esclareceu mitos e verdades sobre a amamentação e a importância do leite materno para o bebê até os seis meses de vida. Confira a entrevista:

Foto: Nathasja Rotter

Na segunda-feira (7) o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Ponta Grossa (SindServ), Leovanir Martins, falou ao Periódico sobre os limites e possibilidades da reforma trabalhista do Governo Federal aprovada pelo Senado em 11/07.

Para Leovanir, o “sindicato vai ter que se reinventar” e “haverá danos a médio prazo tanto para o trabalhador quanto para as empresas" por conta da reforma, que altera a relação do sindicato com os trabalhadores. Uma das mudanças significativas se dá no caso do funcionário com curso superior e salário acima de R$ 11 mil, que perde o direito de ser representado por um sindicato, passando a negociar diretamente com o empregador. “O único beneficiado nesta negociação é o patrão”, exclama Leovanir.

Entre os principais pontos da proposta aprovada no Senado estão a alteração do período de descanso, a contabilização salarial, indenizações, processo de rescisão contratual e o fim do imposto sindical. Com este último ponto Leovanir concorda, pois “nada deve ser imposto, e sim conquistado”.

Confira os áudios da entrevista:

Bloco 1

Bloco 2

 

Bloco 3

 

Bloco 4

Foto: Lorena Panassolo

Nesta quinta-feira (03), o militante do PSOL (Partido Socialismo e Liberdade) Guilherme Mazer esteve no Ponto da Notícia Entrevista. O ativista comentou sobre o cenário político brasileiro, após a Câmara dos Deputados rejeitar o prosseguimento da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB). Mazer abordou a impopularidade do governo e as reformas propostas. Para ele, o cenário político é de reinvenção, nao bastando a troca de partidos do governo.

Confira a entrevista:

Bloco 1

Com a votação dos deputados sobre a análise da denúncia contra Michel Temer, Guilherme Mazer aborda a repercusão dos votos e como o resultado influencia a relação do Planalto com a Câmara dos Deputados, bem como a necessidade de organização popular.

 

Bloco 2

Mazer explica a diferença de votos para torcida e de votos que realmente querem a investigação do Temer. O militante defende que o poder popular é o único que pode dar uma resposta pra o cenário político.

 

Bloco 3

Guilherme ressalta que a legitimidade da aprovação das reformas fica comprometida se aprovada em um cenário de corrupção. Evidencia que é uma prioridade revogar as reformas e que, além disso, os partidos políticos também podem atuar organizando e influenciando as pessoas a manifestarem nas ruas.

 

Leia também: Manifestantes em Ponta Grossa pedem "Fora Temer" em dia de votação de denúncias

 

Atualizado em 06/08/2017 às 16h38.

Foto: divulgação TSE

 

Na noite de sexta-feira (09) o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou o resultado do julgamento da chapa Dilma-Temer. Com quatro votos contrários e três favoráveis, não houve a cassação do mandato. A ação alegava abuso de poder político, econômico e fraude na campanha eleitoral de 2014.
O cientista político Emerson Urizzi Cervi afirma que a decisão de ontem fortaleceu o governo Temer no cenário político. “Como a chuva ajudou e a safra no Brasil foi boa, é possível que a economia comece a dar sinais positivos. Se isso acontecer, Temer pode recuperar algum espaço na sociedade. Veja, é a chuva que aumenta a safra, que aquece a economia, que deixa a população feliz. O governo Temer apenas se aproveitará disso”, analisa.
Até então, movimentos favoráveis à saída de Temer se intensificaram e ocuparam as ruas do país nos últimos meses. Durante os protestos manifestantes pediam por “Diretas Já!”, mas para que isso ocorra é necessário que Temer renuncie ao cargo ou que um dos processos de impeachment que tramitam no Congresso seja aceito. “Se houver intensificação de protestos, será contra as reformas diretamente e contra o governo Temer indiretamente”, ressalta Cervi.
Durante a sessão votaram contrários a cassação da chapa Dilma-Temer, os ministros Napoleão Nunes Maia Filho, Admar Gonzaga, Tarcisio Vieira de Carvalho Neto e Gilmar Mendes. O relator do processo Herman Benjamin e os ministros Luiz Fux e Rosa Weber votaram a favor.
A decisão do TSE deve gerar diretamente, segundo o cientista político Emerson Cervi, fôlego para o governo Temer continuar com base no Congresso e executar as reformas. “De longo prazo, é possível gerar uma tendência do TSE se limitar a fatos anteriores e não incorporar novos elementos em julgamentos futuros, isso impacta principalmente em denúncias contra prefeitos e vereadores”, afirma.
A investigação da chapa Dilma-Temer iniciou em 2014, após uma denúncia da coligação do PSDB, foi arquivado por falta de provas em 2015, retomando apenas em outubro do mesmo ano.

Foto: Kimberly Safraide
No dia 24 de maio os manifestantes foram às ruas pedir o afastamento do presidente Michel Temer e a realização de eleições diretas no Brasil. Confira a reportagem do ato em Ponta Grossa: