2017 08 24 03 18 06
Foto: Arquivo

A Orquestra Sinfônica de Ponta Grossa (OSPG) retomou suas apresentações no dia 23, quarta-feira. O lançamento da temporada 2017 aconteceu no Cine Teatro Ópera com a "Oitava Sinfonia", do compositor tcheco Antonin Dvořák. O repertório do concerto vem sendo preparado desde a retomada dos ensaios, no início de julho.

”Acredito que o poema sinfônico ‘Má Vlast’, de Smetana, e a 8ª Sinfonia de Dvorák trarão a todos uma noite de grande beleza musical”, afirma Rafael Rauski, regente da OSPG e diretor pedagógico do Conservatório Maestro Paulino. O compositor Antonin Dvořák (1841-1904) ficou conhecido por sua riqueza melódica e a essa sinfonia se inspirou na tradição boêmia.

O concerto conta com 48 músicos e dois convidados especiais. Com instrumentos de cordas, madeiras, metais e percussão. “A OSPG conta com muitos músicos de alto nível, músicos estudiosos e dedicados que vem se destacando no cenário da música erudita”, destaca o percussionista Luís Fernando Diogo.  As apresentações acontecem até o fim deste ano.

Foto: 18ª Conferência Municipal de Cultura  discute representatividade da cultura afro-brasileira em Ponta Grossa.

Verba direcionada não atende os grupos culturais afro-brasileiros da cidade

 

Há pouco mais de dois meses foi realizada, em Ponta Grossa, a 18ª Conferência Municipal de Cultura que, segundo o Portal Federativo, têm por objetivo promover discussões de âmbito político-cultural do município e também discutir o planejamento das atividades que irão acontecer no decorrer do ano. Porém, durante os três dias de Conferência, uma das questões levantadas foi a falta de representatividade afro-brasileira no cenário da cultura ponta-grossense, em decorrência, também, da falta de recursos.

Kimberlly Safraide
Foto: Kimberlly Safraide

Os brechós são alternativa para quem busca moda sustentável e preços baixos

Nos últimos anos, a compra de roupas de segunda mão se popularizou em Ponta Grossa e passou a ser uma alternativa para quem procura uma saída para os altos preços em lojas convencionais. Os brechós – lojas que vendem principalmente roupas e calçados usados – estão ganhando clientes e espaço no centro da cidade.

Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), um dos serviços mais promissores em 2017 são os que atendem às necessidades básicas, principalmente aqueles que são alternativas baratas. As últimas pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que nos primeiros três meses do ano o comércio varejista teve queda de 3%; nos últimos doze meses, a queda foi de 5,3%. Vestuário e calçados estão entre os produtos que apresentaram taxas negativas.

De acordo com a jornalista Nicoly França, do canal ponta-grossense Lado Avesso, mantido no Youtube, a popularização se dá pelo maior acesso à informação e à abundância de oferta desse tipo de serviço. Ela diz que a mídia está ajudando as pessoas a perderem o preconceito e aderirem à moda sustentável.

Ponta Grossa, apesar de já apresentar um aumento no comércio, ainda tem muito a crescer. "Em cidades como São Paulo, por exemplo, já é muito bem difundido isso [consumo em brechós], já tem muitos eventos e feiras de troca", compara a jornalista. O canal, que tem por objetivo promover o consumo de moda sustentável, faz eventos de troca e venda na cidade.

A consumidora Júlia Prado, revela que hoje em dia a maior parte do seu guarda-roupa é composto por roupas de brechó. "Comecei a comprar porque eu vi como uma alternativa para os preços das roupas novas", lembra. Além disso, ela gosta de peças diferentes que ninguém mais esteja usando no momento, ao contrário das fast-fashion que oferecem uma mesma peça em grandes quantidades.

Atrativos para o consumo

Para as comerciantes da Rua Coronel Francisco Ribas, onde se encontram seis brechós lado a lado, que surgiram a aproximadamente há um ano, o público que procura os brechós é variado e de todas as classes. Porém, o consumo é, em maioria, de mulheres, mesmo que haja outras opções. Para homens e crianças, não se encontram tantas araras de roupas. Segundo as comerciantes, os homens compram menos que as mulheres e, no caso das crianças, se tem o costume de repassar as roupas para outras crianças.

A comerciante Simone Aparecida começou a vender na própria casa no boca-a-boca, mas há dois meses decidiu abrir a loja física para atrair mais clientes. Ela conta que, entre os atrativos da sua loja, está o fato de as roupas serem lavadas, passadas e costuradas em caso de defeitos, além de a loja ser bem organizada e o cliente não ter que ficar procurando muito para achar algo que goste.

A proprietária de outro brechó, Leni Souza Penteado, conta que as pessoas estão em busca de peças diferentes e exclusivas que não se encontram mais nas lojas convencionais. “O pessoal procura muito roupas de marca e, às vezes, roupas mais em conta”, relata.

 

O grupo G2 Cia de Dança abriu o evento com “La Cena” e apostou na interação com o público
Peça envolvendo teatro e dança emociona público na primeira noite da Seletiva da Mostra Paranaense de Dança. Foto: Ana Istschuk

 

A Mostra Paranaense de Dança visitou Ponta Grossa para uma seletiva neste fim de semana. O espetáculo de abertura foi realizado pelo grupo G2 Cia de Dança, composto pelos bailarinos mais antigos do Balé Teatro Guaíra. A apresentação, intitulada “La Cena”, de uma hora de duração, atraiu o público para o Cine-Teatro Ópera na noite desta sexta-feira (12).

A loja é localizada na Avenida Ernesto Vilela, 128, no bairro Nova Rússia.

Com mais de 18 mil objetos a loja Andrade Antiguidades é um dos mais conhecidos antiquários da cidade. Com antiguidades de até 100 anos de idade, o proprietário Morocines Ferreira de Andrade comenta a história da loja.

 

Conheça um pouco mais o passado da loja do passado.