A Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Culturais (Proex) acabou de publicar o ebook “Foto&Poema: diálogos entre Arte e Ciência”. A obra, nona produzida pelo Foca Foto, é resultado de uma parceria entre o curso de Jornalismo, professores dos departamentos de Artes e de Estudos de Linguagem, da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). São fotografias sobre o cotidiano, sentimentos e percepções de mundo que embasam 42 poemas escritos por estudantes dos três cursos, professores e participantes do projeto.

 


“A proposta de fazer um livro envolvendo foto e poemas começou em 2017”, explica o coordenador do projeto Foca Foto, professor Carlos Alberto de Souza. Ele conta que o grupo tentou se articular com os acadêmicos de letras e criar uma parceria para a realização do livro. “Mas poucos alunos, naquela época, se interessaram. Em 2018, eu e o professor Paulo Rogério de Almeida voltamos a defender a proposta e envolvemos a professora Josie Parrilha da Silva e o professor Nelson da Silva Jr., do Departamento de Artes. E, deu certo”.

 


Para Souza, o ebook Foto&Poema valoriza a criação, a arte e a ciência. “Além de fazer uma obra interessante e inovadora, tínhamos como proposta integrar departamentos de ensino da UEPG por meio da extensão. Acho que demos um passo importante nessa direção e a atividade começou a render frutos”, destaca. Souza aponta, também, que por meio dessa iniciativa, é possível criar uma cultura dentro da universidade de compartilhar conhecimento e experiência, envolvendo na ação professores, estudantes e funcionário da UEPG e, até, alunos egressos da universidade.

 


O livro está disponível na página da Proex. O início da obra é composto por três capítulos reflexivos e teóricos sobre imagem e criação. O debate é mediado por três professores de diferentes departamentos da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). O primeiro artigo “Imagem, nossa companheira do dia a dia” é do professor de Jornalismo Carlos Alberto de Souza que revela o histórico e a força que a fotografia tem na sociedade.

 


A segunda reflexão partiu do professor do Departamento de Estudos da Linguagem, Paulo Rogério de Almeida. Intitulado “A poesia: alguns aspectos a serem considerados”. O artigo levanta conceitos teóricos e traz exemplos sobre a diferença entre poemas e poesias.

 


Em “Não sou aquilo que você vê, sou aquilo que sou: um pouco do que você sente, um pouco do que você imagina, um pouco do que você sonha...” capítulo escrito pela professora do Departamento de Artes, Josie Agatha Parrilha da Silva, o leitor pode acompanhar o processo de contemplação das Artes Visuais, em especial a apreciação visual das imagens.

 


O ebook é composto por 42 poemas que estão relacionados a uma ou mais fotografias. Cada participante escolheu uma imagem para escrever o que sentia, o que a imagem fotográfica inspirava. O participante e acadêmico de jornalismo Thailan de Pauli aponta que achou genial a ideia do livro. “Tivemos o desafio de combinar foto com a palavra e o resultado foi esse. Reunir o pessoal de letras, artes e jornalismo foi uma mistura boa para a vitória da arte”, expõe.

O acadêmico Thailan de Pauli utilizou a fotográfica do professor Souza para escrever uma reflexão sobre a fragilidade da vida e da sociedade.


Sete imagens do ebook são da técnica laboratorial em fotografia Taís Maria Ferreira. A fotógrafa relata que foi muito prazeroso participar do livro. “Muitas fotos minhas foram escolhidas. Isso valoriza o meu trabalho. Sem contar a oportunidade de publicar os meus poemas”, destaca. Taís também aponta a importância na interdisciplinaridade com as áreas de Letras e Artes. “Essa soma faz a gente aprender com eles. É sempre bom ter um novo olhar para esse vasto mundo das imagens”, observa.

A aluna Andreia Spanholi inspirou-se na fotografia de Ferreria para refletir sobre o cotidiano vazio das pessoas.


O professor do Departamento de Linguagem Paulo Rogério de Almeida foi um dos convidados para compor a coordenação do livro “Foto&Poema”. Além de escrever os poemas, Almeida foi um dos revisores da obra. Na sua visão, o projeto foi importante por envolver áreas distintas do conhecimento. “Foi fundamental o empenho dos três organizadores do ebook para que o livro fosse um sucesso e contasse com a adesão dos acadêmicos”, reforça.

 


Germano Busato, estudante de jornalismo, expressa que escrever o poema foi uma forma de manifestar o que sentiu, por meio de palavras. “Essa mistura de poesia com fotografia teve uma combinação perfeita. Além do livro mostrar um olhar diferente que as pessoas podem ter da fotografia, mostra o poder da imagem para expressar uma poema”, enfatiza.

Germano Busato, utiliza-se de uma fotografia da cidade de Curitiba, para revelar seus sentimentos quanto a mudar de cidade para estudar, a saudade da família e pessoas próximas.

 

 

Você conhece quem é o profissional que faz os instrumentos musicais? Veja no VT a importância do luthier para o cenário musical.

Parque Histórico de Carambeí recebe a visita do Papai Noel dia 30 de novembro, às 20h30. O ingresso para este dia será um brinquedo em bom estado. As comemorações natalinas do parque iniciam dia 24 de novembro, acomanhe as demais programações a seguir.

 

No dia de 20 de novembro é comemorado o Dia da Consciência Negra, marcado por um país que ainda acredita no mito da democracia racial. Em Ponta Grossa existem dois eventos na semana que visam dar mais espaço ao negro no município.

 

Vinícius da Silva, membro da Sociedade Afro-brasileira Cacique Pena Branca e organizador do Festival Expressão Afro, em parceria com a Fundação Municipal de Cultura (FMC), avalia a situação: “precisamos dos eventos para existir”.O Festival Expressão Afro conta com uma programação que começou na terça, 20/11 até dia 23, e pode ser acessada no site da FMC.

 

Um projeto do evento havia surgido em 2017 mas, como não teve financiamento, registrou pouca adesão no Município. Em 2018 o projeto a Fundação Cultural topou a parceria. A programação vai desde editais da Fundação sobre cultura afro até um jantar de comidas típicas. “Algo que foi esquecido por tanto tempo na cidade conta agora com uma programação voltada à situação atual”, diz da Silva.

 

Outro evento acontece simultaneamente na cidade, o Novembro Negro: Em memória a Marielle Franco. Realizada pelo Diretório Central de Estudantes (DCE) da UEPG, a iniciativa abriu na segunda, 19/11 e tem programação marcada até quarta-feira, 28/11, da próxima semana. Vinícius da Silva avalia a simultaneidade dos eventos. “É triste saber que os dois acontecem sem vínculo e é algo para mudar no próximo ano”, afirma. O evento do DCE é voltado a participação acadêmica sobre o tema.

 

Bruno Margraf, membro do Centro Acadêmico Carvalho Santos (CACS), um dos parceiros do evento, afirma que por conta das poucas políticas sociais para negros na UEPG, têm-se uma universidade com pouca pluralidade, algo que o evento quer levantar. “É importante trazer o meio acadêmico para discussão, especialmente numa universidade tão embranquecida”, explica Margraf. Érica de Souza, integrante do Centro Acadêmico João do Rio (CAJOR) concorda com a explicação de Margraf. “Os eventos são necessários, tanto para a Academia quanto para a sociedade, pois é preciso entender a dívida história que temos com a população negra”, completa.

                              

 

O escritor ponta-grossense Kleber Bordinhão comanda o bate-papo “A Poesia e a Imaginação” na noite desta terça-feira (18), às 19h30, no SESC Ponta Grossa. A 37ª Semana Literária teve início ontem (17) com mesa redonda sobre o tema “Autoficção: A imaginação do eu como uma marca”.

 

 

No bate-papo do segundo dia do evento, Bordinhão pretende abordar a imaginação na poesia. “Vou falar sobre imaginação, mas não no sentido lúdico e sim no sentido de criar poesias, de criatividade”, detalha. O escritor entende que a Semana Literária é uma oportunidade de estar em contato com outros escritores. “Esse tipo de evento é importante por conta do debate, dessa conversa com outros autores. Eu acho que esse evento é bom para você ver o autor falando do que ele escreve e do que ele tenta passar”, explica.

 

 

Bordinhão já participou da iniciativa em 2015 e é autor das obras “Distâncias do minímo”, “Ano Neon”, “Fictícias” e “Carta aos Cortes”, lançado em junho e promete novo livro para o fim do ano. A programação da Semana Literária se encerra no sábado (22), com a apresentação da peça Relembranças, às 19h30, no teatro SESC.

 

 

A abertura da Semana Literária aconteceu ontem com os escritores Otávio Linhares e Carlos Henrique Schroeder. “Acho que eles conseguiram desmistificar a literatura”, revela Bordinhão. O estudante de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa, Matheus Rolim, também relata sua impressão positiva sobre o debate da estreia. “Achei legal a parte da autoficção. O que eu consegui entender é que o conceito diz sobre escrever sua própria história com elementos ficcionais. Infelizmente, hoje a imagem do autor é mais valorizada do que o trabalho duro, a obra”, finaliza.