O grande fluxo de passageiros revela a necessidade de melhoria nos serviços da rodoviária. Foto:Reprodução

Mesmo com a reorganização de pessoal, os serviços de limpeza, principalmente nos sanitários, são alvos de reclamações

"Para o fluxo de movimento dobrado das festas de final de ano, reorganizamos nosso pessoal para melhor prestações de serviço". É o que esclarece a administração da Rodoviária de Ponta Grossa, que se reuniu na última segunda, 14, para indicar quais as principais mudanças que serão realizadas.

Após extinção do Centro de Atenção à saúde (CAS), os atendimentos se tornaram precários. Foto - Andressa Zanffalon

Segundo as funcionárias do local, a principal reclamação dos pacientes é em relação ao tempo de espera para a consulta. A instituição de saúde principal agrega duas unidades de saúde e o SAMU, o que dificultou o trabalho dos médicos e enfermeiros no momento de transição do CAS para Unidade Básica de Saúde.

A lotação dos terminais é um dos principais motivos da demora do transporte público. Foto - Gustavo Ban

Uma das linhas mais movimentadas do transporte público em Ponta Grossa tem como destino o bairro Santa Paula. No horário de pico, entre 16 e 19h, a reclamação constante dos passageiros, além da lotação, é a demora do trajeto. Os ônibus Santa Paula saem, em média, a cada 15 minutos pela manhã e tarde. No período da noite, os horários são mais espaçados.

Pacientes da unidade Doutor Luiz Conrado chegam cedo para garantir consulta 

Poucas pessoas conseguem agendar suas consultas na unidade de saúde - Foto: Gabriela Clair

Até o horário de início do atendimento na Unidade de Saúde Doutor Luiz Conrado Mansani,  27 pessoas estavam na fila de espera. Dentre elas, Ingrid Juliana de Andrade,18 anos, com a filha Ana, de dois meses. As duas chegaram à unidade às 6h45: "Chego cedo porque demoro para ser atendida. Nem com a minha filha eu tenho preferência", conta Ingrid, que afirma ter acordado com a pressão baixa.