Chico Alencar conhece pela primeira vez pré-assentamento Emiliano Zapata e conversa com os integrantes do MST sobre a situação política do país. Foto: Ana Luisa Vaghetti. 

 

O historiador e deputado federal Chico Alencar visitou o pré-assentamento Emiliano Zapata assim que chegou na região de Ponta Grossa, na sexta-feira (20), para conversa de uma hora com os integrantes do Movimento Sem Terra (MST). O objetivo da visita foi entender a situação do assentamento e explicar para os moradores o cenário político brasileiro, após as denúncias envolvendo o presidente Michel Temer.

"O Planalto é simbolizado por uma cuaia de cabeça para cima, o que significa que aquele é um lugar de ouvir os clamores da sociedade, é a Casa do Povo. Infelizmente eles ouvem o povo que tem dinheiro, os JBS da vida, os Odebrecht e outros", ressaltou Alencar. O deputado ainda contou sobre a situação difícil, em que o golpe acontece no dia a dia com a perda de direitos do povo, como a Previdência Social e leis trabalhistas.

Chico Alencar afirma que é totalmente a favor da reforma agrária e da luta do povo. "A história não para, o momento é complicado, mas é a resistência popular que nos ajuda pensar em dias melhores, para não perder a esperança que se contrói lutando", explica o historiador. O deputado não fez previsões sobre o futuro da política e defende que a marca desse tempo é a incerteza e imprevisibilidade. 

 

Acompanhe a fala de Chico Alencar sobre o cenário político do país:

 

 

Como alternativa da conjuntura política atual, Chico Alencar ressaltou que o povo pode ajudar através da luta e pressão popular. "É hora do grito na rua", afirmou o deputado. Em conversa com o Portal Periódico, Chico Alencar levantou algumas considerações sobre a importância da juventude e do jornalismo neste cenário nacional.

 

Chico Alencar: A juventude interessada, inclusive na luta da indução de despolitização ao desencanto tem um papel muito importante a desempenhar. Quem trabalha na área do jornalismo mais ainda, porque a informação no Brasil é mais deformação, tem sempre os donos de comunicação que veiculam e reportam a realidade de acordo com os seus interesses econômicos, então o papel de quem está estudando jornalismo é muito esse de democratizar a informação, porque só com informação horizontal e espalhada a gente vai transitando do senso comum, para o bom senso e depois para o fundamental que é o senso crítico. Então a juventude tem um papel muito importante a cumprir, sempre teve, em qualquer sociedade, mas no Brasil do desencanto, do descredito, da anomia, da confusão, dos cenários trocados, das cartas embaralhadas, uma juventude mais esclarecida, lúcida, que se organiza e luta, tem um papel decisivo. Eu quando vejo nas ruas e nas redes fico muito feliz, vocês me representam.

Em visita à cidade de Ponta Grossa/PR para uma conversa sobre "As reformas neoliberais e o futuro da democracia no Brasil", o historiador e deputado federal Chico Alencar, do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) conversou com a reportagem do Periódico.

Atualmente em seu quarto mandato consecutivo, Chico Alencar é membro da Comissão dos Direitos Humanos, do Conselho da Ética da Câmara dos Deputados e da Comissão da Constituição, Justiça e Cidadania. Desde de 2006, está incluído na lista dos 100 parlamentares mais influentes do Congresso.

 

IMG 3108

Confira na íntegra e entrevista realizada pela repórter Ana Luísa Vaghetti:

 

Portal Periódico: Enquanto historiador, como o senhor enxerga a conjuntura política atual? É possível comparar esse momento com algum outro da história?
Chico Alencar: É aquela velha afirmação de Marx que “a história não se repete, a não ser por tragédia ou farsa”. O momento político atual é muito parecido com outros, tem aspectos de semelhança, mas a própria encruzilhada do processo de desenvolvimento capitalista do Brasil, nessa segunda década do século 20 é muito singular, são questões novíssimas na nossa história econômica. O esgotamento da nova república, com suas promessas de democratização radical de garantia os direitos sociais, se expressa agora na degradação política, no derretimento partidário e na afirmação dos neo-liberais que acreditam que direitos sociais não cabem no orçamento. É uma situação muito nova. Enfim, acho que estamos vivendo uma crise identitária, de sentido, civilizatória e com características agudas da crise econômica e política do país.

 

Portal Periódico: Como está funcionando o processo da Comissão da Constituição, Justiça e Cidadania no pedido da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para eleições diretas?

Chico Alencar: Nós já conseguimos a garantia do presidente da comissão, deputado federal Rodrigo Pacheco (PMDB/MG), pautar na quinta-feira a proposta da emenda, com o pedido de “diretas sempre”. Como não deu quórum na discussão de quinta-feira passada, onde apenas 19 dos 34 deputados necessários compareceram, o presidente da comissão se comprometeu em colocar em pauta novamente na próxima terça-feira, mesmo sabendo que a base do governo vai tentar retirar. Será uma grande batalha. Ao nosso ver, é impensável o Brasil de hoje fazer eleições indiretas, onde os eleitores serão 513 deputados e os 81 senadores, em um momento de crise de credibilidade que o congresso enfrenta. Caso o direcionamento seja para eleições indiretas, nós do PSOL não votaremos em ninguém, nem se a madre Teresa de Calcutá ressuscitasse e fosse candidata.


Portal Periódico: De que forma as eleições indiretas afetariam a conjuntura nacional?
Chico Alencar: O perigo está na continuidade da junta governativa atual, mesmo que eleito um novo maquinista, uma vez que o mercado, a elite econômica, querem continuar atacando as poucas conquistas que o povo teve na legislação trabalhista, nos direitos sociais previdenciários, nos direitos dos povos indígenas e quilombolas, a afirmação da juventude pobre negra, avanços das conquistas das mulheres e LGBTs. Esse governo é de assalto aos direitos tão duramente conquistados e pouco consolidados. Mesmo que mude o nome do dirigente, uma eleição indireta com esse congresso atual consagraria mais do mesmo, e seria complemento desse programa de destruição dos direitos sociais.


Portal Periódico: Como a Comissão da Constituição, Justiça e Cidadania pode contribuir para o exercício da democracia?
Chico Alencar: Em primeiro lugar, fazendo um bom debate, mesmo sendo minoria aparente no congresso. Depois da delação da JBS a nossa força depende das manifestações de rua, do querer da população, da confirmação do desgaste do governo Temer. Sem uma ampla conscientização de massa, nós da comissão pouco podemos fazer.

 

Portal Periódico: O senhor acredita na renúncia do presidente Michel Temer?
Chico Alencar: Hoje em dia qualquer previsão se torna arriscada, a conjuntura está muito dinâmica e a única certeza é que está tudo incerto pela nossa frente. Nessa semana saiu o relatório final horroroso e criminoso da Funai [CPI da Funai e do Incra na Câmara, que aprovou o texto-base do relatório que sugere o indiciamento de mais de 70 pessoas] e estávamos com a sensação de derrota. Na quarta-feira (17), quando surge as bombas das delações, quem passa a sofrer é o próprio Temer e seu governo. Tudo mudou de um dia para outro. Acho que sempre temos que apostar na esperança que se constrói que pode mudar a conjuntura atual, melhorando a favor do povo, da população e dos trabalhadores.


Portal Periódico: Sobre os possíveis candidatos à presidência em 2018, qual é o grande perigo em relação às lutas do partido PSOL, qual candidato representa um grande ataque?
Chico Alencar: Os ataques já estão acontecendo fortemente. É o aprofundamento desse programa neoliberal, autoritário, com elementos do estado de exceção. Eu entendo que o cenário ainda está muito indefinido. Eu diria que nem mesmo o nicho da extrema direita, que não tem o mínimo de memória histórica, que são aqueles que aparecem em pesquisa de intenção de voto e manifestam preferência pelo Jair Bolsonaro [deputado federal] sabem. Nem mesmo a candidatura dele está assegurada, ninguém sabe quem vai sobreviver. Existe uma Lava Jato [operação da Polícia Federal] no meio do caminho, que afeta todas as forças políticas hegemônicas. Antes de nomes, o partido tem que apresentar uma plataforma mínima para debates com outras forças sociais e partidárias. Eu acho que a nossa tarefa agora é pensar em cinco ou dez pontos principais para abrir um debate na sociedade brasileira, não só sobre a divisão do Brasil e a sua crise, como também caminhos para sua superação.


Portal Periódico: Quem a esquerda deve temer mais, o Jair Bolsonaro (PSC) ou o próprio João Dória (PSDB)?
Chico Alencar: O Bolsonaro eu tenho a impressão que ele tem um teto. É muito difícil imaginar que alguém com as posições dele, pela sua formação política precária, mesmo que deputado de muitos mandatos, consiga dirigir um país, nem na perspectiva da burguesia da direita mais raivosa. O Dória [atual prefeito de São Paulo] vem do show business, criado como alguém da burguesia, do patronato. Ele não tem uma história produtiva, ele prosperou como homem de televisão. O governo dele em São Paulo ainda é muito recente, certamente não é se vestindo de gari e pintando o muro que vai ser considerado um bom gestor como ele se vende. Mas é óbvio que ele pode ser uma alternativa para as forças conservadoras, já que os quadros tradicionais estão sendo queimados. Eu diria que qualquer um é péssimo para os interesses populares.


Porta Periódico: O senhor pretende se candidatar pelo PSOL como presidente?
Chico Alencar: Tem um samba chamado “Plataforma” [interpretado por Elis Regina] que diz, “não sou candidato a nada, meu negócio é batucada, mas meu coração não se conforma, o meu peito é do contra e por isso mete bronca nesse samba plataforma”. Eu insisto nisso, acho que o PSOL tem a obrigação de fugir do lugar comum dos partidos tradicionais, que personaliza os processos sem ter o mínimo de estrutura e proposta. Eu achei a decisão do último Diretório Nacional correta, no sentido de trabalhar em torno de alguns pontos centrais, de contestação do sistema, do modelo econômico, oferecendo alternativas concretas, viáveis e de mudança radical nas estruturas desse país, para depois culminar isso em quem pode melhor encarnar essas propostas.
No cenário de eleições de 2018, que eu continuo achando que é o mais provável, embora agora com essas denúncias contra o Temer, a perspectiva de eleições esse ano e mesmo de diretas já venha ganhar um certo alento. É verdade que eu considero meu papel como deputado federal importante dentro do PSOL, mas eu considero que já cumpri meu papel, minha missão, já estou no quarto mandato, a quem avalie também que saindo para o senado teria chances reais, evidentemente tem chances, porque as máquinas tradicionais do Rio estão todas destroçadas. O PMDB com Sergio Cabral na cadeia, o Pezão [governador do Rio de Janeiro] nesse estado de falência, então pode se abrir uma perspectiva para o PSOL numa eleição majoritária para o senado, mas também não desconsidero assumir essa tarefa nacional. Tem que discutir, inclusive as condições mínimas que o partido terá nessa missão. Eu estou discutindo. É preciso debater, desde os grupos mais próximos, como familiares e amigos, até com o meu próprio gabinete. Estamos em uma fase de consultas, mas não estamos com as portas fechadas.


Portal Periódico: Visto que o senhor já passou por esses quatro mandatos, como define sua trajetória?
Chico Alencar: O parlamento é muito limitado. Parlamento burguês mais ainda. Você fica muito condicionado a uma atuação que é sempre restrita, dentro daquele formalismo, chamado “cretinismo parlamentar” e isso desgasta e cansa um pouco. O fato também de você viver, ter relações, inclusive políticas, em um Estado e precisar se deslocar toda semana para Brasília, o lugar da política, dá uma sensação de esquizofrenia. Eu já apresentei mais de 150 projetos de lei ligados a educação, meio ambiente, saúde, tudo nessa perspectiva de políticas públicas, já travamos muitos combates contra a degradação política, corrupção, já fui do Conselho de Ética, eu acho que fica o conjunto da obra. Apresentar o projeto é uma coisa, tê-lo aprovado é outra, existe uma distância muito grande. Fazer lei não é uma grande missão, é lutar para que a população se organize e conquiste outra sociedade, isso você faz no parlamento ou fora dele. Claro que a presença na institucionalidade tem um peso, mas também fico tranquilo porque eu vejo que lá no meu estado, no Rio de Janeiro, tem uma nova geração que vai manter a chama de desafinar o couro dos contentes com o neoliberalismo dentro do parlamento. Em geral, em condição minoritária, a gente até brinca lá. Normalmente na Câmara a gente luta como sempre e perde como sempre também.

Após as gravações da JBS abalarem o governo Temer na noite desta quarta-feira (17) e os oito pedidos protocolados a favor do impeachment do presidente, o que acontece na hipótese de Michel Temer deixar o cargo?
O portal Periódico conversou com o advogado e professor Volney Campos dos Santos, do Departamento de Direito das Relações Sociais da Universidade Estadual de Ponta Grossa  sobre os possíveis desdobramentos das denúncias que atingiram a presidência. De acordo com Volney, mesmo que os atos e manifestações nas ruas peçam Diretas Já, o Planalto segue o que está previsto na Constituição, que tem regras para momentos como esse. Caso a legislação seja cumprida conforme a Constituição, as eleições diretas não encontram sustenção instituicional nesse momento. Segundo o professor, no entanto, é possível que exista uma votação em caráter emergencial para o acréscimo de uma emenda constitucional viabilizando a possibilidade.


Confira no áudio a entrevista do repórter William Clarindo:

 

A partir da gravação de denúncia, realizada pela JBS, ao presidente Michel Temer, a mídia divulgou ontem (17) alguns conteúdos. Acompanhe as notícias do cenário político:

QUARTA FEIRA (17/05)
Durante a tarde, os irmãos Wesley e Joesley (proprietários da JBS) e mais cinco pessoas compareceram ao Supremo Tribunal Federal (STF), no gabinete do Ministro Edson Fachin. Cabia ao Ministro homologar a delação feita à Procuradoria-Geral da República (PGR) em abril.

19:15 – O escritor João Paulo Cuenca divulgou em seu Twitter que o Jornal O Globo daria um grande furo de reportagem. 

19:30 – Jornal O Globo publica a notícia "Dono da JBS grava Temer dando aval para compra de silêncio Cunha", do colunista Lauro Jardim 

19:35 – Durante o intervalo da novela Rock Story, a Rede Globo fez um plantão anunciando a gravação do dono da JBS, em que Temer dá aval para compra de silêncio de Cunha e anuncia a cobertura completa no Jornal Nacional. 

Na gravação, Joesley Batista conversa com o Presidente Temer sobre a compra do silêncio do Cunha, que está preso pela Operação Lava a Jato desde 19 de outubro de 2016, e também sobre uma ajuda para a JSB em troca de propina.

Joesley Batista recebeu do Senador Aécio Neves um pedido de R$ 2 milhões de reais para pagamento de advogados na defesa da Operação Lava a Jato.

Outro item é a distribuição da propina pelo ex-Ministro Guido Mantega para parlamentares e para o PT (Partido dos Trabalhadores).

19:30 – O Senador Aécio Neves é visto saindo disfarçadamente do Senado após ler a notícia da gravação

Deputados da Rede e do PSB (oposição) entraram com pedido de impeachment do Presidente Michel Temer, cabendo ao Senador Rodrigo Maia fazer juízo prévio de admissibilidade.

QUINTA FEIRA (18/05)

A delação de ontem desencadeou reações do Supremo Tribunal Federal e da Polícia Federal.

A Procuradoria Geral da República (PGR) pediu a prisão de Aécio Neves, mas Edson Fachin autorizou apenas o afastamento dele do Senado. O pedido de prisão será julgado pelo plenário do STF. Fachin autorizou o afastamento do deputado Rodrigo Rocha Loures, que teria sido indicado por Temer para receber propina.

Polícia Federal cumpre mandados de busca e apreensão no Congresso e em endereços ligados ao Senador Aécio Neves.

Frederico Pacheco de Medeiros, primo do Senador Aécio Neves, foi preso em casa, na região Metropolitana de Belho Horizonte. Segundo o G1: “A entrega do dinheiro foi feita a Frederico Pacheco, que foi diretor da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), nomeado por Aécio, e um dos coordenadores de sua campanha a presidente em 2014”.

A irmã do Senador Aécio, Andrea Neves, também foi presa pela manhã.

A PF faz buscas em diversos endereços ligados ao Senador.

O Presidente Temer cancelou a agenda oficial e recebeu Ministros do núcleo político em seu gabinete no Palácio do Planalto.

O Procurador da República Ângelo Goulart Villela, que atua no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), foi preso durante a manhã, por determinação do Ministro Edson Fachin relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com a Rede Globo, a operação da Polícia Federal começou as 5 da manhã no Rio de Janeiro. “Um chaveiro foi chamado para os agentes cumprirem o mandado de busca e apreensão no apartamento de Andréa em Copacabana, na Zona Sul [...] Também foram feitas buscas nos apartamentos de Aécio e de Altair Alves Pinto, conhecido por ser braço direito do deputado Eduardo Cunha, que está preso”. Por volta das 6 da manhã, carros da PF chegaram ao Congresso para buscas nos gabinetes de Aécio e Perrela e do deputado Rodrigo Rocha Louders.

Ainda segundo a apuração da Tv Globo, os irmãos Joesley e Wesley relataram as autoridades que receberam ameaças de morte e, por isso, foram autorizados a deixar o país e estão morando em Nova York

*Foto: Coletivo chamado “Fora Temer” se organiza com ato contra o governo de Michel Temer desde o ano passado em Ponta Grossa. (Créditos: William Clarindo).

 

Na sexta-feira (28 de abril), as manifestações de Greve Geral aconteceram em diversas cidades do Brasil. Em Ponta Grossa, o ato teve concentração na Praça Barão de Garaúna e seguiu em direção ao Terminal Central, pela Avenida Vicente Machado. Os manifestantes eram contra as reformas da Previdência, reformas Trabalhistas e a Terceirização, propostas pelo Governo Federal. Segundo a Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Sinduepg), mais de 30 entidades entre sindicatos, movimentos sociais e estudantis estavam reunidos pela manhã do dia 28. Para contabilizar o número de manifestantes presente no ato, a equipe do Periódico levantou os dados divulgados por alguns veículos e organizações.

 

Dados 14052017

 

*O Periódico calculou a área em m² do espaço da manifestação e considerou 1,5 pessoas por m², a partir das fotos do evento e do Google Earth. (Utilizamos a estimativa do Data Folha que considera de 1 a 2 pessoas por m² em passeatas/caminhadas). 

** O número da Guarda Municipal considerou apenas os manifestantes na concentração do Terminal Central (no fim do ato).