Agosto é dedicado ao aleitamento materno e alerta para a importância do tema

 

O aleitamento materno é recomendado a crianças até dois anos de idade, sendo os seis primeiros meses indispensáveis para o desenvolvimento. Entretanto, muitas mães sofrem com dificuldade em amamentar, e isso acontece, principalmente, pela falta de orientação. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o leite materno reduz em até 13% a taxa de mortalidade infantil, além de fortalecer o vínculo entre mãe e bebê. 

Jaqueline Rosa, de 34 anos e mãe de quatro meninos, teve dificuldade no aleitamento, que só melhorou com o passar das gestações. Durante o pré-natal da primeira gravidez, ela não foi orientada  e, quando seu bebê nasceu, não sugava o leite. No hospital, foi necessário receber auxílio de profissionais, como fonoaudióloga, que ajudou a identificar o motivo da dificuldade do bebê. Para Jaqueline, receber tantas informações de uma vez só foi cansativo. “Foi um processo exaustivo, me sentia muito pressionada”.

Devido à dificuldade, a pediatra recomendou fórmula infantil, composto parecido com leite em pó, para o recém-nascido. “Foi o maior erro que cometi, eu não tive nenhuma outra orientação, era simplesmente: fique tranquila, a fórmula vai ajudar e ele vai crescer saudável”, relembra. Na terceira gestação, Jaqueline teve dores e sofreu com leite empedrado, mas, por ter maior conhecimento, ficou mais calma. “O conhecimento é libertador, as orientações foram me tranquilizando. Precisa haver respeito com a mãe que acabou de ter o bebê, muita informação pode deixá-la ainda mais nervosa e atrapalhar o processo”.

Pamela Gorgal conversou com amigas sobre o aleitamento, e para não ter grandes problemas, salvou o contato de uma consultora de amamentação. Quando sua filha nasceu, em abril deste ano, os problemas, como fissuras nos seios, apareceram em dois dias. “Eu amamentava me segurando para não gritar, porque doía muito”. Foi quando ela buscou ajuda. Parou de amamentar, começou a extrair leite com bombinha, e alimentar sua filha com seringa até o seio cicatrizar. “Eu consegui salvar a amamentação devido à orientação, porque se não fosse por isso eu teria desistido. A dor era insuportável”.

 

foto amamentaçãoFoto: Raylane Martins/Acervo Foca Foto

 

A técnica de laboratório do Hospital Universitário Materno Infantil (HUMAI), Cláudia Cancian, afirma que as mães devem buscar auxílio. “Toda mãe que tem dor ou dificuldade, é ideal que procure pelo banco de leite para conseguir a amamentação própria do bebê, estamos aqui para ajudar”.

A farmacêutica bioquímica, doula e consultora de amamentação, Mônica Balsano, explica que nos seis primeiros meses de vida do bebê, o leite supre todas as necessidades alimentares, pois possui substâncias nutritivas próprias, excluindo até a ingestão de água. Além disso, ele protege contra diversas doenças no recém-nascido e câncer de mama da mulher. 

Caso o bebê não receba o leite materno, os riscos para a criança são altos e os compostos alimentares que se assemelham ao leite, como as fórmulas, não apresentam valor nutricional suficientes. “As fórmulas têm a mesma composição do leite materno, mas enquanto nele há 200 componentes, nas fórmulas encontramos somente 80. É uma diferença grande”, afirma. 

A mulher com dificuldade na amamentação deve procurar orientação médica ou agendar a visita de uma consultora de amamentação, para que possa entender o motivo pelo qual não consegue amamentar. De acordo com Mônica, os fatores são inúmeros, como a falta de leite ou a pega incorreta da mama. Além disso, o estresse colabora para a dificuldade. “Quando a mulher está estressada, ela libera o hormônio cortisol, o que diminui a descida do leite”, explica.

 

Ficha técnica:

Reportagem: Bettina Guarienti e Isadora Ricardo

Edição e Publicação: Eder Carlos e Mariana Gonçalves

Supervisão de produção: Muriel E. P. Amaral

Supervisão de publicação: Marcos Zibordi e Maurício Liesen

Pacientes reclamam da carência de estabelecimentos locais que forneçam alimentos seguros para consumo

“Faz dez anos que não faço minhas refeições fora de casa. Quando saio levo marmita ou faço a refeição antes”. Esse é o desabafo da celíaca Valdirene Aparecida Veiga mas poderia ser dito por qualquer morador de Ponta Grossa com alguma restrição ao glúten.


Segundo o levantamento realizado pela reportagem, todos entre 28 celíacos e intolerantes ao glúten entrevistados acreditam que Ponta Grossa e região carecem de restaurantes, bares e lanchonetes que atendam suas necessidades restritivas. A apuração também constatou que quase 80% deixam de consumir os alimentos nesses ambientes por conta da contaminação cruzada. “Sinto muita falta de poder sair e me divertir como qualquer pessoa. Quando saio sei que vou pagar o preço depois, pois sempre acontece alguma contaminação”, comenta a psicóloga Fabiana Brêga, que tem intolerância ao glúten.


De acordo com a celíaca Luiza Siqueira Stemmler, a instrução dos restaurantes sobre as restrições alimentares de seus consumidores também deveria ser mais aprofundada. “Eu nem falo que eu sou celíaca, porque ninguém sabe o que é celíaco”. Ela comenta que consome alimentos que possam conter contaminação cruzada por conta de sua rotina obrigar a fazer refeições fora de casa. Luiza afirma que alguns restaurantes da cidade possuem alimentos sem glúten, mas nem sempre são alimentos pensados para esse público. “Até têm restaurantes que vendem comidas sem glúten, mas se eu vou com a minha família, todos eles comem pizza e eu tenho que comer salada por ser a única opção”, exemplifica.

Selos
No Paraná, visando a inclusão e segurança dos celíacos e intolerantes ao glúten, fundou-se na capital do estado a Associação de Celíacos do Paraná (Acelpar). Sob a atual presidência da engenheira química Ana Claudia Cendofanti, a associação possui mais de vinte anos de atuação objetivando proporcionar uma realidade que atenda as necessidades restritivas do público celíaco.


De acordo com a presidente da Acelpar, a doença celíaca vai além do diagnóstico médico e impacta diretamente o convívio social do indivíduo. Nesse contexto, a associação busca garantir espaços seguros de convivência para esses cidadãos por meio da implantação do “Selo Sem Glúten”— uma iniciativa da Acelpar com o intuito de propiciar uma produção, manipulação e preparo de alimentos totalmente livres de traços de glúten.

Segundo Ana Claudia, o processo de auditoria para a certificação do estabelecimento passa por todo percurso que o produto sem glúten faz, desde a análise da matéria-prima até sua entrega ao consumidor final. Ela afirma que existem aproximadamente 33 selos distribuídos pelas cidades paranaenses, mas nenhum em Ponta Grossa. Existiram processos anteriores para a tentativa de implantação dos selos na região, mas, foram encontrados traços de glúten no processo produtivo — o que interrompeu a certificação. No início da pandemia, outro estabelecimento de alimentos sem glúten tentou a implantação do selo, mas não deu continuidade no processo de auditoria.


Além disso, a presidente da associação comenta que mesmo diante da proximidade entre Ponta Grossa e Curitiba, ainda a cidade carece de espaços especializados para este público, contabilizando menos de dez. “Muitos restaurantes poderiam atender o público celíaco se fizessem algumas transformações em seus processos produtivos a fim de se adequarem às necessidades desses clientes”, destaca.

ALIMENTAÇÃO Acervo Portal Comunitário

Cidadãos enfrentam escassez de estabelecimentos que disponham de uma cozinha segura, livre da presença do glúten. Foto: Acervo Portal Comunitário

Produção nos restaurantes
A tecnóloga de alimentos, Paola Pavlak Silvério, expõe que existem dificuldades em produzir alimentos totalmente livres de glúten para o público celíaco. Ela realiza o controle de qualidade de um restaurante e uma padaria em Ponta Grossa, e afirma que a contaminação cruzada, o encontro de matérias-primas de qualidade e o custo elevado dos produtos são as principais barreiras para a produção desses alimentos.


Paola reforça que as cozinhas utilizadas para a fabricação desses alimentos específicos precisam de bastante atenção a fim de garantir qualidade e segurança para os consumidores. Ela comenta sobre algumas medidas possíveis para evitar a contaminação cruzada, como possuir um espaço físico separado para a produção ou a necessidade de realizar a sanitização completa do ambiente e utensílios, mas também a realização de intervalos de 48 horas entre a produção tradicional e a sem glúten.


Além disso, a tecnóloga afirma que percebeu uma maior procura por esses alimentos específicos nos últimos anos e reforça a necessidade de instruções dos estabelecimentos quando os consumidores solicitam essas produções. “Nós sempre orientamos que produzimos alimentos sem glúten, mas com contaminação cruzada”.

Contaminação cruzada
De acordo com a paciente, Valdirene Aparecida Veiga, a contaminação cruzada é um fator de risco para os celíacos pelo fato de não tratar somente de deixar de consumir os alimentos e sim do processo produtivo como um todo.


Segundo a Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil (FENACELBRA), a contaminação cruzada ocorre quando um alimento sem glúten recebe direta ou indiretamente partículas (traços) de glúten de outros alimentos, desde o plantio até o consumo final. De acordo com a nutricionista do Departamento de Segurança Alimentar da cidade, Elaine Cristina Popoatzki, a atenção para a contaminação cruzada na produção de alimentos deve ser considerada quando se fabricam produtos para o público celíaco e intolerante ao glúten.

A nutricionista declara que apenas cerca de cinquenta celíacos e intolerantes ao glúten estão cadastrados na prefeitura. Entretanto, ela afirma que o número de pacientes é muito superior. Além disso, expõe que escuta diversas reclamações desses cidadãos pela escassez de estabelecimentos que disponham de uma cozinha segura, livre da presença do glúten.

Doença celíaca
O gastroenterologista Rafael Acras explica que a doença celíaca consiste em uma intolerância permanente ao glúten, fazendo parte deste grupo o trigo, cevada, centeio e o malte, por isso devem ser evitados por esses pacientes.


Sobre os sintomas, ele esclarece que cada organismo age de maneira diferente, ou seja, algumas pessoas são assintomáticas, outras possuem sintomas ligados ao aparelho digestivo, como: estufamento, diarreia, gases, desconforto abdominal, ou extra digestivos: carência de vitaminas, doenças autoimunes e problemas em outros órgãos.


Segundo o médico, a identificação da doença deve ser realizada por um gastroenterologista, por meio de exames de sangue, teste de diagnóstico genético e endoscopia com biópsia.


De acordo com a FENACELBRA, a doença celíaca ocorre em pessoas com tendência genética à doença. Assim, pode surgir em qualquer idade, mas geralmente aparece na infância, em crianças com idade entre 1 e 3 anos.

 

Este texto é parte do conteúdo da edição recém-publicada do jornal-laboratório Foca Livre, produzido pelo 2º ano de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Clique aqui e acesse a edição completa.

Ficha Técnica:

Reportagem: Larissa Del Pozo Malinski
Edição e publicação: Valéria Laroca 
Supervisão de produção: Ricardo Tesseroli, Cândida de Oliveira e Maurício Liesen
Supervisão de publicação: Marcos Zibordi e Maurício Liesen

Remédio para a Atrofia Muscular Espinhal custa cerca de doze milhões de reais no Brasil

A Atrofia Muscular Espinhal (AME) é uma doença rara, progressiva e degenerativa causada por uma alteração genética que afeta os neurônios motores, comprometendo o desenvolvimento da criança, causando fraqueza, hipotonia, atrofia e paralisia muscular progressiva levando à morte. Para o tratamento da doença existem o Spinraza e o Ridisplan, disponibilizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e o Zolgensma, terapia gênica que ainda não está na lista de medicamentos para portadores de AME. Remédio de dose única, o Zolgensma é considerado o mais caro do mundo chegando a custar aproximadamente doze milhões de reais por paciente. Ele contém o ingrediente ativo onasemnogeno abeparvoveque, que contém material genético humano e tem a função de neutralizar a doença em crianças até 2 anos de idade.

O estudante de medicina da Universidade Estadual de Ponta Grossa, Leonardo Oliveira Barros, explica que a doença degenerativa está ligada à medula espinhal. Além disso, ele conta que a pessoa já nasce com a doença, apresentando sintomas como a hipotonia, diminuição de força e a perda de reflexos. “Antes mesmo de nascer, ela já vai ter essa doença. Porque a informação genética não vai se alterar no decorrer da gravidez”.

A farmacêutica Cecília Cardoso observa que existem várias vaquinhas online de famílias com crianças que possuem a atrofia. Essa arrecadação pelas redes tem como intenção conseguir os recursos suficientes para a compra do Zolgensma. Ela menciona que há apenas uma empresa dona dos direitos do medicamento, sendo ela a controladora do valor ofertado.

A farmacêutica ainda explica o funcionamento do medicamento. “O Zolgensma vai inibir essa atrofia. Não vai ser igual ao Spinraza [outro remédio indicado para o tratamento] que vai retardando a progressão da doença. Como ele mexe no DNA e modifica, essa atrofia vai realmente inibir”. Ela conta a história de uma criança que estava perdendo os movimentos e com o uso Zolgensma apresentou evolução.

WhatsApp Image 2022 07 18 at 16.18.15

Reprodução/ instagram: @cureaalice

Relato

Silvana Alves é mãe da Alice, de 2 anos e quatro meses. Quando Alice ainda era um bebê, não atingia os marcos do desenvolvimento indicados para a fase. Na medida em que o tempo passava a preocupação aumentava, pois via que algo não estava normal com Alice, sendo assim foi buscar orientação e informação médica, porém sem uma resposta precisa. A AME é uma doença rara e pouco conhecida e passou despercebida pelo olhar clínico dos profissionais sem chegar no diagnóstico. “Alice já estava com quase 10 meses e não sentava, não rolava, não engatinhava, não era uma criança ativa”. Depois de várias consultas, Alice foi levada a uma neuropediatra em Curitiba que fechou o diagnóstico para AME tipo 1.

O tratamento começou trinta dias após o diagnóstico recebendo quatro doses de ataque do medicamento Spinraza, num período de 40 dias e outra aplicação após 4 meses, sendo necessária a reaplicação a cada 4 meses pelo resto da vida. Medicamento este que custa 320 mil reais cada dose com aplicação direta na medula espinhal do paciente. Para conseguir comprar o Zolgensma, a família organizou a campanha Cure a Alice (https://www.facebook.com/cureaalice/) pelas redes sociais e entrou com um processo judicial contra a União visando o fornecimento do dinheiro para a compra do remédio, como direito à saúde para qualquer cidadão. O dinheiro arrecadado ajudou com parte das despesas e o processo custeou a compra do Zolgensma. O processo  judicial ainda não finalizou, mas Alice precisava receber o remédio antes de completar dois anos de idade.

“A  AME não tem cura, mas o Zolgensma faz com que paralise a progressão da doença e Alice comece a ter uma vida sem riscos para a sua saúde”. Para receber o medicamento, ela precisou ir para São Paulo pois apenas alguns hospitais no Brasil tem especialistas preparados para realizar a infusão do Zolgensma. Hoje, ela só faz uso de corticóide e faz acompanhamento frequente com vários especialistas no Hospital das Clínicas em Curitiba. “O remédio em si, caminha junto com as terapias”, explica Silvana. 

 A irmã da Alice, Bruna Milena Rodrigues, conta que foi muito difícil no início. “Foi assustador o diagnóstico. Era uma doença que a gente não tinha conhecimento na época”. Logo em seguida de receber a notícia, Bruna conta que sua mãe entrou em contato com várias campanhas para se informar e buscar mais orientações. Relata que “como Alice tomou o Zolgensma antes dos dois anos de idade, a irmã pode ter uma vida normal, mas que tudo vai depender dos estímulos motores diários (as terapias)”.

A falta de oferta do Zolgensma pelo sistema público gerou brigas judiciais pelo país. Considera-se os riscos à vida da criança mesmo recebendo o tratamento disponível pelo SUS, o desembargador do Tribunal Regional Federal (TRF) entende que o portador de AME tem direito à outras alternativas de tratamentos. O fato do medicamento não ser oferecido pelo sistema público de saúde foi discutido na Câmara de deputados em 2021, porém o Ministério da Saúde alega que os dados de eficácia do medicamento ainda são frágeis. Em contra partida, estudos comprovam a eficiência do medicamento em crianças que já o receberam nos critérios estabelecidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA  onde vem apresentando evolução desde então, considerando as particularidades de cada paciente devido às percas que tiveram até recebê-lo. 

Ficha Técnica:
Repórter: Marcella Panzarini
Edição: Bettina Guarienti
Publicação: Gabriel Mendes Ferreira
Supervisão de produção: Muriel E. P. Amaral
Supervisão de publicação: Marcos Zibordi e Maurício Liesen

Falta de informação causa confusão sobre os serviços e atendimentos prestados

 

Após quase um mês da reabertura da UBS Sady Silveira, moradores que frequentam o posto de saúde reclamam da falta de informações, condições e serviços básicos do novo local. Esta é a quarta mudança de endereço da unidade que presta atendimento a cerca de 10 mil pessoas, principalmente para a população do bairro de Olarias e Coronel Cláudio. De acordo com a Prefeitura, o espaço não é definitivo, mas irá funcionar até a construção do prédio destinado a UBS, que ainda está em fase de licitação.

DSC 0013Localizado no bairro de Olarias, a sede temporária da UBS Sady Silveira abriu em 20 de junho. Foto: Victoria Sellares

 

Segundo uma funcionária, que preferiu não ser identificada, não há previsão de retorno dos serviços que ainda faltam. “Mudamos há uma semana, ainda estamos nos ajustando de acordo com o que o espaço permite. Foi dito que tanto o dentista quanto a vacinação retornariam, mas não sei quando”, afirma. 

Um membro da associação de moradores da região, que preferiu não se identificar, se mostrou revoltado com a falta de indicação definitiva por parte do Poder Público. “Nós lutamos por 15 anos por um espaço fixo, depois que conseguimos, ele não durou um ano e, mais uma vez, nos jogaram para um espaço temporário para esperar a construção de outro prédio”.

Para Fátima Pereira, moradora do bairro, que buscou o atendimento na UBS, a principal dificuldade do novo local é a falta de informação de reabertura da unidade. “Eu fico aliviada de fazer novamente as consultas próximo de casa, mas o problema é que quase não tem informações do novo local. Eu só descobri quando cheguei em Uvaranas, na UBS Madre Josefa, onde estavam atendendo provisoriamente, me atrasei para a consulta por não saber da mudança de novo”. Depois disso, ela teve que voltar a Olarias.

Ana Maria Bilek é moradora de Olarias e é atendida na unidade Sady. Ela diz que o local é menor e por isso os atendimentos são limitados. “É a segunda vez que venho aqui, aparentemente a qualidade segue a mesma, posso dizer que está razoável, mas espero que seja de fato temporário, porque é um espaço pequeno”, diz.

 

Serviço:

Rua Quatorze de Julho, nº 162 – Olarias

Atendimento: Segunda a sexta-feira, das 9h às 17h

 

 

Ficha técnica

Reportagem: Victória Sellares

Edição e publicação: Amanda Martins e Carlos Solek

Supervisão de produção: Muriel E. P. Amaral

Supervisão de publicação: Marcos Zibordi e Maurício Liesen

Pacientes realizam tratamento sozinhas ou pagam valores altos para conseguir atendimento

O agendamento de consultas com ginecologistas em Ponta Grossa é uma dificuldade encontrada pelas mulheres, e mesmo com planos de saúde, nem todas conseguem a consulta e precisam pagar pelo atendimento particular. Em levantamento feito pela reportagem com 30 mulheres de 18 a 40 anos de idade, todas afirmaram ter enfrentado espera de meses para serem atendidas. 

Nivian Nascimento, de 34 anos, deu à luz a primeira filha em outubro de 2021. Em dezembro, tentou marcar consulta com a ginecologista que a acompanhava durante a gravidez. Ela teve problemas com o medicamento receitado e a formação de quelóide na cicatriz do parto. Mesmo em processo pós-operatório, Nivian só conseguiu a consulta para nove meses depois do agendamento. “Por conta própria, comprei um remédio na farmácia e estou fazendo a aplicação na cicatriz”.

 

ATENDIMENTO MÉDICO SAÚDE Mariana Okita

Foto: Mariana Okita

 

Para realizar a colocação de um Dispositivo Intrauterino (DIU), a estudante Angela Galvão entrou em contato com três ginecologistas de Ponta Grossa. “As médicas só tinham horários disponíveis em datas distantes, a não ser que eu pagasse por fora”. Ela conseguiria a consulta, caso pagasse entre R$ 200 e 400. 

Devido à pressa para realizar o procedimento, Angela desembolsou o valor para a aplicação do aparelho, que não incluiu o objeto e nem o valor do procedimento. Caso precisasse de anestesia, os cuidados no centro cirúrgico e a atuação de outro profissional seriam pagos por fora. 

Para verificar o motivo da demora para os atendimentos, a reportagem entrou em contato com oito ginecologistas que atendem em clínicas no centro da cidade. Os médicos argumentam que a agenda cheia e a sobrecarga causada pelo número pequeno de médicos conveniados a planos de saúde, dificultam o rápido atendimento. Pacientes novas só são aceitas pelas clínicas para consulta particular. Em caso de convênio, a agenda está fechada. 



Ficha Técnica

Repórter: Maria Helena Denck

Edição e Publicação: Isadora Ricardo

Supervisão de produção: Muriel E. P. Amaral

Supervisão de publicação: Marcos Zibordi e Maurício Liesen

O procedimento leva no mínimo 45 minutos

Os doadores de sangue do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) questionam o tempo para realizar o procedimento. Por mais ágil que seja, ao menos 45 minutos são utilizados. Uma das pessoas que reclamou é o professor Thiago Takaji. Para fazer a doação, ele se organiza com algum tempo de antecedência porque sabe que pode esperar para que o procedimento seja feito por completo. “Eu trabalho com aulas particulares e sempre penso que estou deixando de marcar uma aula ou preparar material para ficar esperando”, explica. O professor já doou sangue três vezes e afirma que o tempo médio do processo ultrapassa mais de uma hora e meia.

A estudante Audrey Lunelli conta que nunca doou sangue, mas a experiência que teve ao acompanhar um amigo no Hemepar em 2017 fez com que ela se sentisse desmotivada. “O processo entre chegar no Hemepar e esperar pela entrevista inicial foi de, mais ou menos, uma hora”, explica. A estudante ainda afirma que a espera foi em vão, já que o amigo foi impedido de doar sangue por ser homossexual*.  

DOAÇÃO SANGUE Maria Fernanda de Lima

Foto: Maria Fernanda de Lima/Arquivo Periódico

Fabíola Viol, coordenadora da instituição, afirma que são muitos os motivos que tornam a doação de sangue um processo demorado. Mesmo reconhecendo que há certa morosidade, não há muito o que fazer, uma vez que os processos de atendimento são executados para garantir as medidas sanitárias e de segurança. “Pedimos para que as pessoas disponibilizem, pelo menos, uma hora, e que agendem em um dia em que estão tranquilas, sem compromissos imediatos após o horário de atendimento”, afirma. As etapas para a doação de sangue são a identificação do voluntário na recepção do Hemepar, a entrevista em que é confirmada a segurança do doador para que esteja apto para passar pelo processo, a preparação do material, a doação em si e o tempo em que a pessoa deve ficar no estabelecimento para que seja garantido o seu bem estar. 

Além dos procedimentos corriqueiros, há ainda os imprevistos que eventualmente podem ocorrer. A coordenadora explica que, caso algum voluntário passe mal durante o processo da doação de sangue, outros doadores não são atendidos até que a segurança de quem teve algum imprevisto de saúde seja garantida, por uma questão de respeito e cuidado. Mesmo com uma estrutura considerável, a entidade tem, no momento, quatro cadeiras de coleta de sangue. “Fazemos um agendamento para atender quatro pessoas ao mesmo tempo, mas se uma das cadeiras está ocupada, é claro que vamos ter um atraso no atendimento”, explica.

 

*Desde 2020, a restrição que proibia homossexuais de doarem sangue foi derrubada pelo Supremo Tribunal Federal.

 

Ficha técnica:

Repórter: Maria Helena Denck

Edição e publicação: Maria Helena Denck

Supervisão de produção: Muriel E. P. Amaral

Supervisão de publicação: Marcos Zibordi e Maurício Liesen

O caso foi confirmado em Curitiba; outros dois casos estão sendo investigados. Saiba como se proteger

 

A Secretaria de Estado da Saúde confirmou, na tarde do último domingo (03), o primeiro caso de varíola do macaco no Paraná. O caso de monkeypox ocorreu em um homem, de 31 anos, que esteve em São Paulo nos últimos dias e mora em Curitiba, capital paraense. O caso foi confirmado entre duas outras suspeitas, nas cidades de Londrina e Cascavel, que seguem em investigação.

 

51932821765 45957e8e6d o

Imagem: Lente Quente / Vtoria Testa

 

A doença viral é transmitida através de contato físico com lesões, secreções e fluídos corporais de pessoas contaminadas, podendo ocorrer até na troca de objetos pessoais. A varíola causa lesões na face, que posteriormente se espalham pelo corpo da vítima, mas é incomum evoluir para casos graves, como alerta o Instituto Butantan.

 

Para se proteger é ideal fazer a utilização da máscara facial de proteção, bem como higienizar as mãos com frequência. Além disso, é necessário evitar contato com animais mortos, potenciais transmissores da varíola, que fica em incubação entre dois e 13 dias no corpo da vítima.

 

Ficha técnica:

Repórter: Heryvelton Martins

Edição e publicação: Heryvelton Martins

Supervisão de produção: Marcos Zibordi

Supervisão de publicação: Marcos Zibordi e Maurício Liesen

Câncer ocular é descoberto em Ponta Grossa a partir de postagens de jornalista da Globo

 

Em 2021, o apresentador Tiago Leifert deixou os estúdios da Globo por conta do tratamento de retinoblastoma em sua filha, Lua Garbin Leifert. A repercussão da notícia na mídia revelou sete novos casos da doença no Brasil, um deles na cidade de Ponta Grossa.

Arabella, que havia acompanhado as declarações do apresentador pelas redes sociais, não imaginava que descobriria o mesmo problema em sua filha. Ela descobriu o retinoblastoma quando a criança foi fotografada com flash direto e a imagem revelou o “olho de gato”, que nada mais é do que um reflexo branco circular. 

Este reflexo é a primeira forma de identificação do tumor ocular infantil. Por conta de uma imagem compartilhada pelo apresentador de televisão, a mãe soube que o reflexo no olho de sua filha poderia ser mais do que apenas um erro de iluminação na imagem. "Identificamos o sintoma assim que vimos a foto na câmera. Levei ao médico e, infelizmente, a doença estava em um grau avançado".

O oftalmologista GianMarco Penteado, especialista em cirurgias oculares em Ponta Grossa, foi quem realizou a consulta. Ele nunca tinha visto caso específico  em anos de carreira, mas imediatamente soube que se tratava de um câncer maligno, que precisaria de tratamento instantâneo. O tumor cresce muito rápido e pode contaminar o sangue ou outros órgãos, tornando o caso ainda mais grave. 

O médico transferiu o caso para uma clínica especializada em Curitiba. Porém, o tratamento ocorreria de fato em São Paulo, única cidade que possui a quimioterapia específica para o caso. Daí a dificuldade: o plano de saúde contratado pela família não abrange outras cidades. 

"Como o retinoblastoma cresce rápido, optamos por iniciar o tratamento de uma vez, com consultas particulares. Se precisar vender o carro, não tem problema, priorizamos a saúde dela", conta a mãe.

 Cópia_de_principais_tumores_infantis_1.png

Retinoblastoma

O retinoblastoma é um câncer ocular maligno que ocorre em crianças, geralmente até cinco anos de idade. A incidência da doença é rara e representa apenas 3% dos cânceres infantis. O tumor afeta as células da retina, principais responsáveis pela visão,  podendo ocorrer em um olho ou em dois. O caso de Ponta Grossa se refere a um tumor unilateral, em apenas um olho, e comprometeu 70% da visão da criança. 

A doença é classificada em cinco estágios, que indicam a intensidade do tumor. Além desta classificação, a doença é entendida como intraocular ou extraocular, indicando a localização das células cancerígenas. 

Os cânceres extraoculares podem atingir outros órgãos, como o cérebro ou medula óssea, requerendo um tratamento mais intenso. O diagnóstico precoce pode impedir que o grau aumente e o tumor intraocular se prolifere para fora dos olhos.

A filha de Arabella foi classificada em grau quatro. O tumor se encontra dentro do globo ocular. "Mesmo desesperados com a situação, ficamos esperançosos ao saber que não se tratava do tumor extraocular, ainda temos chance de reverter a situação", conta a mãe.

 

Tratamento

O tratamento da doença é realizado com quimioterapia, com duas opções de tratamento. A quimioterapia sistêmica, que injeta o medicamento pela veia, ou a quimioterapia cateterial, que é realizada pelo olho - esta opção injeta menos medicamento, mas com uma concentração maior, o que gera resultados mais rápidos. A média de sessões de quimioterapia para este tipo de intervenção é de quatro a cinco vezes. 

"Existe um medicamento específico para o retinoblastoma que pode ser feito pela quimioterapia de cateterismo e vai até a circulação cerebral. É bastante seguro e não apresenta risco visual, na maior parte dos casos melhorando a visão", explica o oftalmologista. 

Em Ponta Grossa, a família iniciou o tratamento de quimioterapia em maio. Os retornos ocorrem mensalmente, mas, no momento, não é possível estimar a duração do processo.

 

download.gifFicha Técnica:

Reportagem e gráfico: Marcella Panzarini

Supervisão de Produção e Publicação: Marcos Zibordi e Maurício Liesen

 

Adesão a empresas de assistência médica é uma das soluções encontradas

 

Os planos de saúde individuais tiveram o maior reajuste concedido pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANSS) das últimas décadas: de até 15,5% em 2022. Entretanto, quem possui planos em convênios com empresas também enfrenta dificuldades financeiras na atual inflação da economia no país. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o custo de vida aumentou 10,38% este ano. Em Ponta Grossa, os planos empresariais também aplicaram correções na mensalidade.

 

Segundo Daniel Rodrigues Costa, que pagava individualmente um plano de saúde para ele e seu filho de nove anos, optou pelo cancelamento por conta do aumento no valor da mensalidade. “Quando se paga por um plano sem nenhum convênio com empresas, fica bastante inacessível. Quando meu filho precisou ser internado, boa parte do meu salário ia para a mensalidade, então precisei cancelar”, explica.
Para Vanessa Edling, que possui plano de saúde há cinco anos, o aumento por conta da idade foi de 15%. Porém, como faz tratamento e necessita de exames mensalmente, não consegue cancelar. “Pago todo mês atrasado, em alguns meses preciso esperar o salário seguinte para completar a mensalidade”, comenta. 

 

ATENDIMENTO MÉDICO SAÚDE Mariana Okita

Foto: Mariana Okita (arquivo / acervo periódico)

O relato de Vanessa vai ao encontro da situação de Eleane Veiga, que precisou reavaliar as contas da casa para englobar o plano. “Eu ainda mantenho o plano familiar porque sempre estou utilizando, minha filha fez uma endoscopia. Tudo está mais caro, a gente paga pra ter saúde, mas desgasta ela pra conseguir sustentar as contas”, diz.

 

Alternativas

Um dos caminhos para quem não consegue pagar por um plano de saúde são as filiações de assistência médica, em que a pessoa que possui o cartão de adesão tem acesso a descontos em consultas e exames clínicos. 

 

Conforme Rayane Mainardes, funcionária de uma destas empresas, houve um aumento da procura por esta categoria de serviço em 2022. “O usuário cadastrado paga quando precisa utilizar o serviço, através de contratos e parcerias com médicos e clínicas, recebendo descontos”, explica.

 

Catarina de Cândia utiliza o cartão de assistência médica desde 2018. “A diferença de valores do serviço para um plano de saúde é muito significativa, e é uma boa alternativa para quem não consegue pagar por um plano convencional”, pondera.

 

Marília Gabriela Tizon, funcionária de outra empresa de atendimento, explica que o aumento da procura pelo serviço se deu principalmente nas áreas de cardiologia e pneumologia por conta das sequelas da Covid-19. “A procura por neurologistas pediátricos aumentou em 90%, pois muitas escolas encaminham crianças para esta área. Como as agendas desta categoria ficam muito cheias, a procura por clínicos gerais aumenta também. Este ano ficou em 70% a mais que no ano passado”, conta.

 

Ficha Técnica

Reportagem: Valéria Laroca

Edição e publicação: Lucas Ribeiro

Supervisão de produção: Muriel E. P. Amaral

Supervisão de publicação: Marcos Zibordi e Maurício Liesen

Neste ano, houve apenas um caso envolvendo crianças

De janeiro a maio de 2022, o Corpo de Bombeiros de Ponta Grossa registrou 9 ocorrências de acidentes com queimaduras. Isso representa uma diminuição de 50% no número de casos em comparação com o mesmo período do ano passado.
Ponta Grossa não tem um pronto-socorro especializado em queimaduras. Os casos mais leves são tratados nas próprias Unidades de Pronto Atendimento. Quando os acidentes são mais graves, as vítimas são encaminhadas ao Hospital Universitário da Universidade Estadual de Ponta Grossa. Em casos de maior complexidade, as vítimas são transferidas para os centros especializados de Curitiba ou Londrina.
No ano passado, três acidentes envolveram crianças e, neste ano, há uma ocorrência registrada pelo Corpo de Bombeiros. A mãe da criança, Aline Slominski relata que em abril deste ano, o filho de um ano queimou a mão no escapamento da moto. De imediato, ela colocou a mão do menino embaixo de água corrente para interromper o processo de queimadura. "Levou mais de 40 dias para sarar a palma da mão dele, foi um processo muito lento. Eu percebi que tem muita desinformação em relação a essa questão da queimadura, porque os médicos dão opiniões diferentes e existe a falta de conhecimento nosso, enquanto pais’’.

 

foto queimadura

Queimaduras de segundo grau podem causar vermelhidão e bolhas/ Foto: Arquivo Pessoal 


O tratamento é realizado de acordo com o grau do ferimento. Segundo a dermatologista Cristiane Hass, existem três tipos. O primeiro é mais superficial e gera dor e vermelhidão. O segundo, além dos mesmos sintomas, há a formação de bolhas e o terceiro pode atingir estruturas mais profundas como nervos, ossos e músculos. “Nos dois últimos casos, pode ser necessário retirar a pele morta do local e utilizar pomadas antibióticas para tratar e prevenir infecções’’. Após a queimadura, é aconselhável colocar a parte atingida em água corrente e procurar atendimento médico, em caso de emergência.

 

Ficha Técnica

Reportagem: Isadora Ricardo

Edição e publicação: Catharina Iavorski e Lilian Magalhães

Supervisão de produção: Muriel E. P. Amaral

Supervisão de publicação: Marcos Zibordi e Maurício Liesen

Além da instabilidade do ConecteSUS, prefeitura e Ministério da Saúde culpam um ao outro

 

Com base em dados da prefeitura de Ponta Grossa, sobre a cobertura vacinal na cidade, quase 93% das pessoas receberam as duas doses da vacina contra a Covid-19. Entretanto, alguns vacinados notaram que as doses aplicadas não constam no sistema do ConecteSUS - que contém dados sobre procedimentos realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), como a vacinação. A ausência do registro oficial faz com que os moradores do município se questionem se o percentual de vacinados está correto.

Esse é o caso de Elza Rebonatto que, por ter 69 anos, possui o esquema vacinal  completo, com duas doses, desde maio de 2021. A aposentada afirma não confiar no "vacinômetro" da prefeitura. “Se eu, que já tomei a primeira dose de reforço a algum tempo, que nem está registrada no sistema, como podem provar que essa porcentagem é verdadeira?”.

Elza descobriu que não constava a terceira dose registrada no ConecteSUS ao ir tomar a vacina contra a influenza. “Quando a enfermeira perguntou o porquê de ainda não ter tomado a terceira dose, eu fiquei em choque e, por azar, nem estava com o papel colado na carteirinha, que eles dão ao ir tomar a vacina”, relembra. 

Ao chegar em casa, a idosa conseguiu encontrar o comprovante da terceira dose. Porém, diz não saber como resolver o problema. Segundo ela, a enfermeira que a atendeu não soube explicar como ela deveria comprovar o esquema de vacinação. 

O mesmo questionamento é feito pelo assessor de comunicação, João Guilherme Castro, de 24 anos. Mesmo com as três doses recebidas, ele não consegue comprovar a dose de reforço. “Eu tenho as minhas três doses registradas na carteirinha, mas se precisar de um comprovante oficial, infelizmente só poderei comprovar as duas doses”.

Ana Paula Pontaldi, assistente de juiz, também enfrentou a demora para ter a segunda e a terceira doses comprovadas no ConecteSUS: a segunda foi aplicada em Ponta Grossa e a terceira em Blumenau, Santa Catarina.

Em Ponta Grossa, ela precisou ir até o Pronto Socorro para comprovar a segunda dose. “Como a terceira dose, aplicada em Blumenau, demorou mais de um mês para aparecer no sistema, resolvi entrar em contato com a prefeitura de lá pelo Instagram e, cerca de meia hora depois de ter enviado os meus dados, a minha terceira dose foi comprovada.”

Foto Diego Chila

Foto: Diego Chila

Leva-e-traz

  Para o Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS), o problema nos registros das vacinas aplicadas na população são de responsabilidade do DataSUS, gerenciado pelo Ministério da Saúde. A mesma alegação é feita pela Prefeitura de Ponta Grossa, ao mencionar que o Ministério da Saúde apontou instabilidades do ConecteSUS. A prefeitura ainda comunica que o problema no sistema não possui relação alguma ao ataque hacker que aconteceu em dezembro de 2021. 

Sobre a perda do cartão ou do selo de vacinação, a Prefeitura reforça o cuidado com os documentos. Caso não haja a confirmação da comprovação das doses, o cidadão é considerado como não vacinado. Em Ponta Grossa, para solicitar a atualização e inclusão dos dados, o vacinado precisa ir até o Centro de Imunização, que fica aos fundos do Pronto Socorro Doutor Amadeu Puppi, portando a carteira de vacinação e os documentos pessoais.

Em nota, o Ministério da Saúde informa que não há instabilidade no ConecteSUS. Além disso, esclarece que o sistema espelha exatamente os registros inseridos pelos estados e municípios através da Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS), conforme a Lei Nº 14.124/2021. O ministério também explica que, quem não tiver o registro disponível no aplicativo em até 10 dias após a data da sua vacinação, ou que o registro apresenta informações incorretas, deve buscar o local de vacinação ou as secretarias de saúde da cidade em que tomou a dose, para solicitar a correção.

 

Ficha técnica

Reportagem: Leriany Barbosa

Edição e publicação: Diego Chila e Tamires Limurci

Supervisão de produção: Muriel E. P. Amaral

Supervisão de publicação: Marcos Zibordi e Maurício Liesen