O projeto social, Meu Bairro Melhor (MBM), trabalha para garantir visibilidade e bolsa atleta às meninas que integram o time de futebol feminino em Ponta Grossa. A ação social é uma organização comunitária criada pela Associação de Moradores do Jardim Esplanada, no bairro Boa Vista. Com o intuito de fortalecer o futebol feminino na Cidade, voluntários do projeto trabalham com mulheres que procuram o esporte como lazer ou para construir uma carreira profissional.

"O projeto MBM atende cerca de 40 meninas, de diversos bairros da Cidade e, para isso, temos alguns patrocinadores que ajudam manter proposta", explica Lucimara Pereira Duarte (a Profe Luh), que trabalha como treinadora/técnica do futebol feminino em PG. Ela conta que foi convidada a participar do MBM pelo presidente da associação de moradores e fundador do projeto, Marcelino Chamorro Valensuela. “Queremos e precisamos unir forças para apoiar as meninas competir no futebol de campo”, explica Valensuela.

 Projeto Meu Bairro Melhor em amistoso da Equipe Feminina Sub 15 e 17, contra Irmãos Machado em outubro de 2020

Lucimara Duarte destaca a falta de investimento no futebol feminino e, assim, para manter as jogadoras no projeto, a conquista da bolsa atleta é essencial. "O futebol feminino é difícil, pois muitas vezes perdemos as atletas para o mercado de trabalho", diz. A treinadora lembra que a organização depende de trabalho voluntário e, com o revezamento dos professores, as meninas têm rotina de treino de segunda à sábado. “Como trabalhamos com muitas jovens, surgem questões, como sexualidade e drogas, que devem ser trabalhadas com responsabilidade”, diz a Professora, ao informar que o projeto busca apoio de psicólogos voluntários para ajudar no trabalho do MBM.

A psicóloga clínica Polyana Tozati já trabalhou de forma voluntária com um time de futebol feminino formado apenas por adolescentes. Ela reforça a importância da assistência psicológica para jovens no meio esportivo, onde existe grande cobrança pelo sucesso, que é ainda maior para as mulheres. “O auxílio psicológico ajuda que as meninas entendam as exigências atribuídas e saibam lidar com os desafios da melhor forma possível”, explica.

Lucimara conta que não há limite de idade para participar do projeto MBM, pois a iniciativa funciona também como espaço de aprendizado e integração social. "É gratificante constatar que o projeto atende pessoas de várias faixas etárias", diz. Interessados em conhecer o projeto, que também vai representar a Cidade de Ponta Grossa no Campeonato Estadual de Futebol Feminino de Campo em 2021, podem acessar o Facebook do projeto, Meu Bairro Melhor, onde estão disponíveis telefones de contato, imagens de conquistas e atualizações da trajetória e participações coletivas dos times do MBM.

 

Ficha Técnica:

Repórter: Cassiana Tozati

Imagem: Projeto Meu Bairro Melhor/Divulgação

Publicação: David Candido

Supervisão: Sérgio Gadini

 

A instituição sem fins lucrativos abriga pessoas em situação de rua de 18 a 59 anos. Confira mais informações na reportagem em áudio: 

 

Reportagem: Helena Denck

Edição: Tamires Limurci

Publicação: Vítor Almeida

Supervisão: Paula Melani Rocha

Atualmente os produtos que compõem a cesta básica comprometem mais de 63% do salário mínimo da população pontagrossensse. 

Levantamento mostrou que entre o grupo de  alimentos hortifrutigranjeiros, o tomate teve um aumento de 31,56%;

Foto por: Maria Fernanda de Lima 

 

Em Ponta Grossa o preço atual dos produtos que compõem a cesta básica chega a custar cerca de 667 reais. O órgão responsável por fazer o levantamento dos preços na cidade é o Núcleo de Economia Regional e Políticas Públicas, NEREPP. O NEREPP realiza uma pesquisa semanalmente dos preços nos supermercados. É feito um levantamento de dados do hábito de consumo do pontagrossense levando em conta marcas, preços e mercados.

Sem equidade de gênero, homens são maioria nos cargos municipais

Com o novo governo municipal, a presença de mulheres nas secretarias de Ponta Grossa aumentou de 15% para 30% em 2021. Para compor sua gestão, Elizabeth Schmidt (PSD), a primeira prefeita do município, designou seis mulheres entre os 20 nomes do secretariado, os outros 14 ainda são ocupados por homens.

Na gestão anterior, de Marcelo Rangel (PSDB), os cargos eram ocupados por 17 homens e três mulheres. Assim, mesmo com o aumento da presença de mulheres nas secretarias, a situação não se modificou o suficiente para que exista uma equidade de gênero no alto escalão do município. Além disso, cinco permaneceram no mesmo cargo da gestão anterior, oito já integravam outras posições dentro do governo e foram remanejados para novas secretarias e sete são novos secretários.

Após pressão do Congresso, Planalto estuda a retomada do benefício

 

Em Ponta Grossa mais de 60 mil pessoas receberam o benefício em 2020. Foto: Larissa Godoi

 

O Governo anunciou a volta do auxílio para 2021, no valor de R$ 250 mensais, que serão distribuídos em quatro parcelas. O custo será de aproximadamente R$ 30 bilhões. Se aprovado por Proposta de Emenda Constitucional (PEC), o recurso tem previsão para retorno no mês de março e término em junho.