Hoje (19) todos os usuários do transporte público de Ponta Grossa poderão utilizar os ônibus de forma gratuita. O projeto de lei n° 251/2018 estabelece que no dia 19 de setembro de cada ano as passagens serão gratuitas. O projeto sancionado pelo prefeito Marcelo Rangel ontem (18) oferece a todos os usuários que possuem cartão de transporte a gratuidade. Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, o custo dessa gratuidade será cerca de R$250 mil reais para os cofres públicos.

 

 

 

 

 

A nova diretoria do Observatório Social dos Campos Gerais iniciou com os trabalhos em setembro. O mandado segue até 2020. A atual diretoria vai manter as mesmas atividades da gestão anterior, que estão voltadas aos quatro eixos de ação da entidade: transparência, capacitação de empresas, educação fiscal e monitoramento do poder público local (legislativo e executivo). A nova presidente do Observatório é a advogada Geórgia Bocheneck.

 

O Cine Teatro Ópera recebe no próximo sábado (15) às 20h, o concerto de comemoração dos 195 anos da Princesa dos Campos Gerais. O evento marca o lançamento da primeira gravação de Marcha e Hino municipais,executados pela Orquestra Sinfônica e Coro da cidade.

 

 

Orquestra Sinfônica Cidade de Ponta Grossa, sob a regência de Rafael Rauski, com o Coro Cidade de Ponta Grossa - Foto: Veridiane Parize

O arranjo do hino e da marcha são de autoria do maestro da Orquestra, Rafael Rauski, que está há dois anos no comando da corporação. O evento tem participação do pianista convidado Carlos Yanssen, professor na Academia de Belas Artes de Curitiba. No encerramento da cerimônia haverá a apŕesentação de abertura da peça Fantasia de Coral, de Ludwig van Beethoven.

 

 

A Orquestra Sinfônica acumula 66 anos de história. No início “eram pessoas que queriam tocar e começaram a se encontrar”, relata a assessora de imprensa da Fundação Municipal de Cultura, Luana Nascimento. O conjunto não é composto por profissionais remunerados, mas por bolsistas. “A Orquestra é um espaço para formar músicos. Todos têm de estar ativos nos estudos, para justificar a bolsa”, afirma Nascimento.

 

 

A entrada para o Concerto de Aniversário de Ponta Grossa é uma lata de leite em pó, que deve ser trocada nos pontos de venda do Ópera e do Centro de Música, das 8h às 11h e das 13h às 21h30. No dia do evento, os bilhetes podem ser adquiridos a partir das 18h,no local da apresentação. Os alimentos serão repassados para a Fundação de Assistência Social (antigo SOS), que atende 190 entidades carentes de Ponta Grossa. O evento é promovido pela Prefeitura Municipal de Ponta Grossa.

A 37ª Semana Literária & Feira do Livro, organizada pelo SESC, dará visibilidade para escritores locais na programação do evento. Adrian Lincoln Clarindo, Carlos Henrique Schoroeder, Otávio Linhares, Kleber Bordinhão e Luiz Fernando Cheres participam do encontro cultural que acontece entre os dias 17 e 22 de setembro em Ponta Grossa. O evento é gratuito e aberto ao público.

 

 

Rafaela Remeika, diretora da feira cultural, explica que os autores já têm um trabalho na cidade e que espaços como este são importantes para divulgar e valorizar a produção dos convidados. “Como os escritores são de Ponta Grossa, eles conseguem falar sobre o cotidiano da cidade e os leitores podem se identificar”, completa. A Semana Literária acontece simultaneamente em todas as unidades do SESC Paraná, com temáticas nacionais e internacionais, mas em cada cidade a programação é diferenciada.

 

 

“Existe uma carência de divulgação da literatura na cidade”, avalia a diretora. Rafaela conta que a ideia é levar o evento aos bairros mais afastados da região central. Dez oficinais de contação de histórias, com temáticas relacionadas ao evento, serão realizadas em colégios da periferia da cidade. “A iniciativa contribui para popularizar a cultura, que é concentrada em regiões elitizadas”, diz o acadêmico Vítor Almeida.

 

 

O estudante de Jornalismo e membro do projeto de extensão Cultura Plural, Gabriel Miguel, explica que existe uma ideia de que em Ponta Grossa não se produz cultura e que iniciativas como a Semana Literária mostram o equívoco. “O espaço é importante para que os artistas pontagrossenses, que estão escondidos, mostrem o trabalho realizado”, conclui.

 

 

A programação da Semana Literária está disponível no site do SESC Ponta Grossa, que conta com mesas redondas, bate papos, oficinas, circuito de história e espetáculos teatrais. A Feira do Livro acontece no Parque Ambiental, localizado na região central da Cidade.

Desempregados buscam emprego na Agência do Trabalhador. Foto: Julio César Prado
Desempregados buscam emprego na Agência do Trabalhador. Foto: Julio César Prado

No segundo trimestre de 2018, faltou trabalho para 27,6 milhões de pessoas no Brasil. A chamada taxa de subutilização da força de trabalho foi de 24,6%, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As informações revelam a real situação econômica do Brasil. O indicador inclui os desempregados, os subocupados (que trabalham menos de 40 horas semanais) e a força de trabalho potencial (pessoas que gostariam de trabalhar). E, de acordo com o IBGE, o resultado é considerado estável em relação ao primeiro trimestre de 2018.

 

 

“Com a atual situação do Brasil, está cada vez mais difícil conseguir um emprego para quem está se formando na faculdade e logo irá ingressar no mercado de trabalho”, afirma Anelise Betino, estudante que se forma este ano em Turismo pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Quem está saindo da faculdade tem pouca e, as vezes, nenhuma experiência prática na área pretendida. A crise econômica e o aumento do desemprego complicam ainda mais a situação do recém formado. Além disso, a empregabilidade é uma das maiores preocupações da comunidade acadêmica no País. “Sou graduada em Educação Física e lembro como foi difícil conseguir o primeiro emprego depois de me formar”, aponta Juliana Cosmoski, estudante de Jornalismo que frequenta uma segunda graduação na UEPG.

 

 

Entretanto, o índice de empregabilidade do primeiro trimestre de 2018 elaborado pelo Instituto Ipsos, em conjunto com o grupo Santander, revela que o saldo de empregos foi positivo para quem tem graduação, em comparação com os trabalhadores sem nível escolar completo. O estudo ouviu mais de 9 mil estudantes e professores em 19 países, cerca de 850 no Brasil. Para 54% dos entrevistados, é preciso melhorar a inserção dos recém-formados no mercado de trabalho, e 63% acreditam que as universidades não conseguem munir os alunos das competências exigidas pelas empresas.

 

 

A estudante do primeiro ano de Serviço Social Larissa Carneiro se mostra confiante em relação ao futuro no mercado de trabalho. “O curso que escolhi não é uma área que possui tanta concorrência no mercado e, como estou no primeiro ano, não penso que devo me preocupar com isso já”, diz.